0800 761 8634 0800 761 8634

Os problemas financeiros que o Divórcio pode causar

Os problemas financeiros que o Divórcio pode causar

Pode ser uma hora difícil para isso, mas é fundamental que você pense sobre o aspecto financeiro quando o seu casamento acaba. Proteja-se contra mais surpresas inesperadas.

Quando as pessoas se divorciam, as consequências financeiras são geralmente bem similares. É muito comum que eles vejam seu crédito destruído e que fiquem surpresos quando isso acontece.

A decretação do divórcio não substitui os contratos originais feitos com os credores. Isso significa que, não é simplesmente porque o divórcio foi homologado e que o juiz tenha designado que uma das partes fique responsável pelas obrigações do então casal, que a partir de agora a outra parte está liberada das obrigações junto à instituição financeira, contraídas de forma conjunta. O credor não reconhece a Carta de Sentença de Divórcio como uma emenda que irá alterar o contrato assinado por ambos os cônjuges. Portanto, ambas as partes continuam igualmente responsáveis pela dívida contraída quando a conta foi aberta.

Uma vez que as duas partes são responsáveis, é provável que os informes referentes ao crédito estejam vindo no nome dos dois. E, caso a conta ou as obrigações geradas por um empréstimo, por exemplo, estiverem inadimplentes – não importando por qual motivo – as obrigações devidas serão cobradas das duas partes, e isso poderá trazer grandes prejuízos à linha de crédito de cada um dos ex-cônjuges.

Isso, na verdade, não precisa acontecer. E, no entanto, pega as pessoas de surpresa. Tanto tempo, energia e dinheiro são gastos em um divórcio e tão pouca atenção costuma ser dada a um dos mais persistentes efeitos causados pelo fim do matrimônio: os danos à linha de crédito.

Não que vá ser de grande auxílio para as pessoas que tem me enviado e-mails depois que o leite já foi derramado, mas aqui vão algumas dicas de como eles poderiam ter evitado ou pelo menos, amenizado os danos. Se você ainda não cometeu esses erros:

Refinancie qualquer empréstimo conjunto colocando-o no nome uma das partes. Isso serve para financiamentos para aquisição de carros ou imóveis. Na prática, uma das partes estará comprando o bem do outro. Se nenhum dos dois tiver condições de fazê-lo, a melhor saída será vender o bem e dividir os proventos, afinal é mais fácil dividir dinheiro do que dividir um imóvel.

Cancele quaisquer cartões de crédito que estiverem no nome dos dois. Atente para o detalhe de que essa é uma medida que você só deverá tomar caso esteja realmente se preparando para o divórcio, já que isso irá diminuir seu potencial de crédito. Solicite à operadora do cartão que emita um novo cartão apenas no seu nome. Desta forma, você poderá manter a conta caso precise, mas ela estará apenas em seu nome.

É aconselhável tomar essas medidas o quanto antes, uma vez que, no decorrer do divórcio as coisas podem ficar feias. Quando e se isso acontecer, é muito provável que você não conseguirá muita ajuda daquele ou daquela que, em breve, será seu ex-marido ou ex-esposa. Portanto, é aconselhável agir antes que as coisas comecem a se deteriorar.

Enquanto você estiver passando pelo processo de cura emocional típica do divórcio, deverá reservar um pouco de energia para curar seu crédito também, caso ele tenha sofrido algum dano. Lembre-se: ignorar um problema não fará com que ele vá embora, e pode ser mais necessário do que nunca ter acesso ao crédito agora que você está por conta própria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Validar *