0800 761 8634 0800 761 8634

3 erros financeiros típicos de mulheres em um Divórcio

3 erros financeiros típicos de mulheres em um Divórcio

O divórcio tem uma maneira peculiar de ir se infiltrando e influenciando vários aspectos diferentes da vida de uma mulher, seja no campo social, familiar, espiritual, emocional, legal ou financeiro. Além disso, tenha você sido pega de surpresa com a notícia de que seu marido resolveu largar você, ou tenha você passado os últimos anos pensando na possibilidade de se divorciar, o fato é que muito provavelmente você irá passar por momentos de grande comoção e agitação em cada uma dessas áreas mencionadas.

Mas o que você pode fazer para retomar o senso de equilíbrio? O que pode fazer para começar a ver aquela tão citada “luz no fim do túnel”?

A melhor coisa que pode fazer é tornar os aspectos financeiros relativos ao divórcio uma de suas maiores prioridades. Suas finanças sempre exigem muita atenção, mas isso se torna ainda mais necessário durante o divórcio, pois as decisões que tomar agora, poderão afetar seu bem-estar para o resto da sua vida.

Os maiores equívocos financeiros que as mulheres costumam cometer durante o divórcio podem ser dividias em três categorias: 1 não estarem preparadas; 2) não se informarem e 3) não pensarem no longo prazo.

1. Não Estarem Preparadas
Pode parecer que não há como estar “pronta” para um divórcio. Realmente, terminar um casamento nem sempre é uma unanimidade entre os cônjuges, e muitas das mulheres que se consideravam bem casadas podem sofrer um grande baque quando o parceiro anuncia sua decisão de desfazer o matrimônio. Não obstante, existem sim, maneiras para se preparar, e todas elas estão ligadas à necessidade de estabelecer (e depois manter) uma base financeira sólida para você mesma, e para os seus filhos, se for o caso. Por exemplo, se certifique que:

Você terá acesso a fundos e crédito. Muitas mulheres se encontram numa situação delicada logo depois de se divorciarem, muitas vezes não tendo condições nem mesmo de pagar pelos serviços de um advogado. Portanto, se você está pensando em divorciar-se, você precisa começar imediatamente a separar algum dinheiro, pensando nas despesas envolvidas com a separação. Mesmo que você não estiver pensando nisso ainda, é sempre importante ter recursos disponíveis, em seu nome, totalmente separados dos que vocês têm em contas conjuntas. Manter um cartão de crédito exclusivo, em seu nome, também é aconselhável; Mais tarde pode ser difícil conseguir um cartão com bom limite de crédito.

Tenha em mãos documentos importantes. Faça cópias de todos os seus documentos e registros financeiros legais antes de começar o seu processo de divórcio. Não deixe de incluir declarações fiscais, dados de contas bancárias e extratos de conta de corretagem, testamentos, inventários e consórcios, apólices de seguro, ações, títulos de propriedade de veículos e registros, etc. Mantenha as cópias em um local seguro que seu marido não possa acessar.

2. Não Estar Bem Informada
O divórcio é um processo cada vez mais complicado, e sua complexidade é agravada por uma série de leis e decisões que podem baixar o nível de segurança jurídica para os envolvidos. No entanto, mesmo antes que qualquer sutileza jurídica entre em jogo, existem erros financeiros que as mulheres costumam cometer que surgem simplesmente por não terem ou não se lembrarem da informação correta. Você pode evitar alguns desses equívocos, caso você:

Saiba o que Você Possui. Você deve ter um conhecimento em relação a todos os seus bens matrimoniais. Não se esqueça de pensões, remuneração diferida, investimentos de aposentadoria, opções de compra de ações, seguros de vida, anuidades, títulos de um Clube, o tempo de férias acumuladas e outras regalias que possa ter, referentes ao seu cargo. Todas estas coisas têm valor e não devem ser esquecidas quando chega a hora de negociar um acordo de divórcio. Além disso, você deve fazer um balanço do seu passivo, ou seja, de suas dívidas, e começar a controlar suas despesas. Se você suspeitar que seu marido possa estar escondendo bens, rendas extras ou débitos, faça o que for preciso para descobrir mais a respeito dessa prática.

3.Não Pensar no Longo Prazo
No meio de uma negociação tumultuada em um processo de divórcio litigioso, pode ser muito tentador, querer resolver logo tudo de uma vez, evitando maiores conflitos e desgastes para que seja possível seguir em frente. Você pode estar pensando que há coisas mais importantes do que o dinheiro ou que não vale à pena toda aquela exaustiva disputa em relação a quem fica com todas aquelas “coisas” que você acumulou em seu casamento. Cuidado com este estado de espírito! Financeiramente, pode ser que você esteja dando um tiro no pé. É possível, porém, evitar algumas das principais armadilhas se você:

Ficar atenta à Diferença Entre o Valor Patrimonial e Patrimônio Liquido. Poder ficar com um imóvel já pago no valor de 750 mil Reias pode parecer um ótimo negócio. Mas é preciso lembrar que em cima do valor patrimonial citado há que se tirar o custo para mantê-lo. Mesmo sem hipoteca você precisará pagar IPTU, taxas condominiais, sem falar numa série de gastos para que ele não se desvalorize com o passar dos anos. Se for vendê-lo, terá que pagar para a corretora uma taxa consideravelmente alta, sem mencionar os detalhes como os impostos em cima da valorização do imóvel que incidirão no valor da venda caso este seja consideravelmente maior do que o que foi pago na época pelo imóvel.

Avaliar extensivamente de que forma as opções do acordo judicial de divórcio podem afetar sua vida financeira. Lembre-se: você só tem apenas um tiro e há muitos ângulos a serem considerados antes de puxar o gatilho. Trabalhe com um consultor especializado que possa analisar todas as implicações financeiras, incluindo os ganhos e a as consequências dos impostos que incidirão em cada um dos acordos que você tem como opção. O que pode parecer muito hoje, pode significar quase nada daqui a dez anos. Avalie tudo detidamente para estar sempre à frente dos acontecimentos e pronta para tomar as decisões mais acertadas.

Por mais turbulenta que seja esta fase, é fundamental durante o divórcio, que você pense financeiramente e não emocionalmente. Para chegar ao melhor acordo possível, aborde cada aspecto financeiro de seu divórcio com o mínimo de passionalidade que conseguir. Afinal, quando se está emocionalmente extenuada, é natural que a pessoa fique mais propensa a assumir compromissos que não são do seu interesse. Mas lembre-se: Em divórcios não há segunda-chance, e você pode ficar fadada a lidar com as consequências das suas más decisões para o resto da vida. Em vez disso, deixe suas emoções de lado, e mantenha o foco no que realmente importa: um futuro financeiro seguro e estável. Boa Sorte!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Validar *